redação

15/06/2020 - 5 minutos de leitura.

Projeto de Bolsonaro que aumenta pontos da CNH será votado amanhã

Presidente quer, entre outras medidas, aumentar a pontuação para infratores e apenas advertência para transporte irregular de crianças

bolsonaro
BOLSONARO VAI A CÂMARA ENTREGAR PROJETO DE LEI Crédito: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.

Será votado amanhã (16) na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 3.267. Ele foi apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em junho do ano passado e prevê diversas mudanças no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). As alterações visam facilitar a vida de infratores e reduzir dispositivos de segurança implementados nos últimos anos.

Entre os pontos do projeto de lei há o aumento da pontuação no prontuário na CNH de 20 para 40 pontos ao longo de um ano. Hoje, a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) é suspensa caso o motorista atinja os 20 pontos dentro de um ano ou no caso de infrações específicas, registradas como gravíssimas.

A proposta irá para votação. Contudo, foi modificada. O aumento será escalonado: 40 pontos para quem não receber multas, 30 para quem tiver no máximo uma infração gravíssima e 20 pontos para quem tiver duas ou mais multas gravíssimas.



Outra mudança é a aumento na validade da CNH, atualmente de cinco anos. A proposta é que ela passe a valer por 10 anos. No caso de motoristas com mais de 65 anos, seria 5 anos. Atualmente é de cinco anos e três para motoristas idosos.

O que irá à votação prevê 10 anos para motoristas com até 50 anos; cinco para condutores entre 50 e 70; e três anos acima disso. Também deve ser votado o aumento para 30 dias para indicar o condutor responsável por uma infração, em caso do carro estar em nome de outra pessoa.

O transporte obrigatório de crianças em cadeirinhas ou assentos de elevação também é uma das questões. Bolsonaro queria que o motorista flagrado carregando crianças sem um dos dispositivos receba apenas uma advertência e três pontos na CNH. Atualmente, isso é configurado como infração gravíssima, que dá sete pontos na CNH e multa de R$ 297,47.

A câmara vai votar uma proposta, com base em setores ligados à segurança viária, de que crianças até dez anos ou com estatura de até 1,45 m têm que estar usando um dos dispositivos de contenção, cadeirinha ou assento de elevação. Ademais, continuará a ser uma infração gravíssima.

Inscreva-se no canal do Jornal do Carro no YouTube

Veja vídeos de testes de carros e motos, lançamentos, panoramas, análises, entrevistas e o que acontece no mundo automotivo em outros países!

Inscrever-se

Outras mudanças

No PL apresentado, acabariam também as multas pelo não uso do farol baixo em rodovias. Apenas seria transformado em multa caso o motorista não fosse identificado, mas aí passaria a ser infração leve, de três pontos. E no projeto passa a ser obrigatório apenas em rodovias de pistas simples.

Desde 2016, usar luzes diurnas ou farol baixo em rodovias mesmo durante o dia é obrigatório e leva a infração média com multa de R$ 130,16. Agora, se aprovado, o motorista ficará apenas com a pontuação e a multa financeira é extinguida.

O exame toxicológico também foi mantido, diferentemente do que queria Bolsonaro. O exame é para constatar se pessoas que trabalham como motoristas profissionais (CNHs de categoria C,D e E) fizeram uso de drogas. Segundo o texto, o exame foi mantido e será obrigatório a cada dois anos e meio, na renovação.

Caso o projeto de lei seja aprovado na votação da Câmara, irá à Câmara para ser sancionado. Na sequência ele precisará ser aprovado no Senado para, por fim, ser assinado pelo próprio presidente da república.

Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais