Redação

22/03/2020 - 6 minutos de leitura. Atualizado: 21/03/2020 | 23:37

Trump diz que ajudará montadoras por causa do coronavírus

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que pretende auxiliar a indústria automotiva “ao menos um pouco” para minimizar a crise gerada pelo novo coronavírus

sede da ford nos eua
Trump acenou com ajuda às montadoras americanas, como a Ford (foto), que estão com produção interrompida nos Estados Unidos, por causa da covid-19 Crédito: John C. Hillery/REUTERS
Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que o governo irá ajudar a indústria automobilística para minimizar a crise gerada pelo novo coronavírus. A informação foi revelada durante uma recente conversa entre o presidente e governadores.

Receba no seu e-mail as principais notícias do dia sobre o coronavírus

INSCREVA-SE NO CANAL DO JORNAL DO CARRO NO YOUTUBE

Trump afirmou que sua administração iria “cuidar das montadoras”. De acordo com informações publicadas pela imprensa norte-americana, o presidente estaria muito atento à situação da indústria, e que iria ajudar o setor  “ao menos um pouco”. Segundo Trump, as fabricantes de veículos “não têm culpa nos acontecimentos” (referindo-se à pandemia da covid-19).

O presidente norte-americano não especificou que tipo de ajuda o governo poderia conceder à indústria. Sua resposta veio pouco depois de a associação das fabricantes de equipamentos e motores terem recorrido a políticos republicanos e democratas, pedindo auxílio para os fornecedores de autopeças.

A intenção da indústria é obter dos congressistas um “alívio temporário” em forma de redução de tarifas e de acesso a empréstimos subsidiados.

No início da semana passada, algumas fabricantes e grupos de concessionárias recorreram a Trump. O objetivo era obter autorização para o funcionamento de oficinas durante a crise gerada pelo coronavírus. As montadoras norte-americanas estão com produção paralisada.

Governo francês pode estatizar montadoras

O governo francês não descarta a possibilidade de estatizar a Renault e a PSA. A medida é uma saída vislumbrada pelo governo, caso a crise de covid-19 se intensifique. Por causa da pandemia do coronavírus, a população da França está confinada, e a produção permanece paralisada.

De acordo com a agência Reuters, o ministro da Economia da França, Bruno Le Maire, teria tido uma conversa com Carlos Tavares e Jean-Dominique Senard, respectivamente presidentes da PSA e da Renault. O assunto, segundo o ministério, teria sido “a situação dos dois fabricantes” diante da crise causada pelo avanço coronavírus.

França deixa as portas abertas às conversações

Segundo o jornal Libération, o temor do governo francês é que investidores possam se aproveitar da situação e tomar o controle de empresas que são “símbolos da França”. “Nós vemos isso todos os dias”, disse Le Maire.

De acordo com o jornal, o ministro teria anunciado que o Estado não hesitaria em recorrer a todos os meios disponíveis para ajudar as empresas francesas. Isso incluiria até a estatização. Outros “símbolos” da França seriam a fabricante de pneus Michelin e a Air France. O governo já tem 15% da companhia aérea, e poderia aumentar essa participação.

Outras maneiras de ajuda podem vir em forma de desoneração fiscal para essas empresas. O governo francês teme que a crise provoque demissões em massa.

Empresas poderão contar com R$ 250 bilhões

Para apoiar as indústrias, a França já reservou € 45 bilhões (o equivalente a R$ 250 bilhões, na conversão direta) para socorrer empresas. Os recursos seriam liberados nos dois primeiros meses. Com a população confinada em casa e o comércio suspenso, a economia para.



De acordo com uma fonte do governo, “o ministro disse que eles teriam acesso a todos os instrumentos disponibilizados às empresas nessas situações”.

Le Maire não teria citado especificamente a PSA (dona da Peugeot, Citroën e Opel) e a Renault (que controla também a Nissan e a Mitsubishi). As medidas dependerão em parte da duração da crise e do confinamento da população.

O governo da França é dono de cerca de 15% da Renault. Também detém, indiretamente, por meio do banco público de investimento Bpifrance,12% do capital da PSA, .

Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais