Diego Ortiz

07/08/2020 - 8 minutos de leitura. Atualizado: 28/08/2020 | 9:15

Teste: Ford Territory aposta em equipamentos e espaço interno para bater de frente com o Compass

Novo Ford Territory vendido a R$ 165.900 esbanja espaço interno, capricha na lista de equipamentos, mas não empolga no desempenho do motor 1.5 turbinado de 150 cv

Territory
Novo Ford Territory Crédito: Ford/Divulgação
Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.

Quando o Ford Territory foi mostrado no Salão do Automóvel de 2018 e praticamente confirmado para o Brasil, o entendimento geral, vendo o carro de perto, era de que a montadora ia jogar no custo/benefício. Oferecer um carro grande e até bem bem equipado, mas por um preço muito menor que seu rivais. Afinal, o modelo vem da China, feito em parceria com a Jianling Motors. Já está com o projeto de certa forma amortizado.

Mas a Ford resolveu partir para o tudo ou nada. Apostou nas dimensões avantajadas do carro para encher ele de equipamentos de ponta. E refez todo o interior em comparação ao irmão chinês Yusheng S330. Deixando o aspecto bem mais sofisticado do que antes. O resultado disso é que o novo Ford Territory chega ao mercado muito completo e classudo, mas por R$ 11.910 a mais que o Jeep Compass. Custa a partir de R$ 165.900 na versão SEL.

Se isso vai dar certo, só o mercado pode dizer. Mas, segundo a Ford, os pilares para convencer os clientes estão no espaço e conforto, conectividade, tecnologia e custo de posse. Um dos trunfos logo de saída é um “mimo” para os 250 primeiros compradores da versão Titanium, de topo, que custa R$ 187.900. Eles terão um ano de seguro e as três primeiras revisões grátis, e carro entregue em casa e higienizado pelo Ford Clean.

Fora isso, há um pacote especial de revisão que custa R$ 1.382 no total das três primeiras. Segundo a Ford, esse valor é o segundo mais baixo do segmento. Perdendo apenas para o Volkswagen Tiguan. E há 90 dias para pagar a primeira parcela, que estarão pela metade do valor até fevereiro de 2022.

Há vida além dos custos para o Territory

Mesmo tendo isso como foco por parte da Ford, o Territory é mais que cifras. Seu desenho não é tão impactante, mas é um belo que feijão com arroz que, se não apaixona, também não desagrada nenhum comprador. Em tempos de mercado em crise, ser generalista é uma vantagem bem grande.

Outro trunfo do SUV, no caso ainda mais expressivo, é seu espaço interno. Com entre-eixos de 2,71 metros e comprimento de 4,58 metros, o novo SUV da Ford tem 8 cm a mais entre as rodas e 17 cm no todo além do Compass. Isso resulta em muito conforto para cinco pessoas, até atrás, onde três ocupantes viajam sem aperto algum nas pernas. Mesmo o túnel central não atrapalha muito a viagem de um quinto elemento no meio.

Na frente, motorista e passageiro não esbarram em nada. Mesmo com o console central bem grande e repleto de porta-objetos. Outro destaque é o desenho dos bancos. Um esporte fino que agrada aos olhos e que segura muito bem o corpo do motorista. E há ainda o porta-malas de 420 litros para completar o pacote família.

O acabamento segue dando mais pontos para o Territory. Feito na cidade chinesa de Xiaolan, ele em nada se parece com o imaginário popular acerca de um carro do gigante asiático. Há plástico preto brilhante e acabamento metalizado por toda parte. Que se junta com apliques de madeira escurecida que dão um toque sofisticado ao carro. Não é jovial, mas é certamente agradável.

Há muita coisa de série

A lista de equipamentos, como a própria Ford faz questão de frisar, pode ser o grande diferencial de vendas do Territory. A SEL já traz rodas de liga leve de 18 polegadas, teto solar panorâmico, pintura perolizada, controles de estabilidade e tração, e tela multimídia de 10 polegadas com o sistema Sync com espelhamento do Apple CarPlay sem cabo. Fora isso, por meio do FordPass Connect, no celular, é possível fazer travamento e destravamento remoto, partida remota com climatização e localizar ele no estacionamento de um shopping, por exemplo.

Já a configuração Titanium traz ainda carregamento de celular sem fio e câmera de estacionamento de 360º com visão panorâmica. E mais sistemas de aviso de mudança de faixa e de monitoramento de pressão dos pneus, luz ambiente com sete cores disponíveis, bancos dianteiros com resfriamento e aquecimento e faróis de LED.

Ainda bem que é turbinado

Depois de tantos aspectos positivos, chega-se ao ponto fraco do Territory. O prazer ao dirigir. O modelo já vem da China com um motor 1.5 turbinado da Jianling. Que na verdade é fornecido pela Mitsubishi. Ele rende 150 cv a 5.300 rpm e 22,9 mkfg de torque a 1.500 rpm. Administrados por um câmbio automático CVT que simula oito marchas.

No papel, a potência deste 1.5 é ótima a faria de qualquer compacto um aspirante a esportivo. Mas o peso de 1.632 kg do SUV, aliado ao “soninho” do CVT, deixa o modelo lento especialmente nas arrancadas e ultrapassagens. Lá pelos quase 3 mil giros ele pega embalo e vai firme, se tornando um bom modelo para viagens em estradas pouco congestionadas. Mas em uso urbano ele sofre. E seu tamanhão, que era um ponto positivo até então, vira um defeito para quem gostar de acelerar mais forte.

Já a suspensão tem ajuste interessante para rodar nas cidades esburacas do Brasil. Com McPherson na dianteira e multilink atrás, não é mole o suficiente para deixar o carro bobo em curvas e nem dura para quicar nos buracos. Traz conforto na medida certa, principalmente para quem anda atrás, que não fica sacolejando.

 

Inscreva-se no canal do Jornal do Carro no YouTube

Veja vídeos de testes de carros e motos, lançamentos, panoramas, análises, entrevistas e o que acontece no mundo automotivo em outros países!

Inscrever-se

Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais